Agnelo Queiroz é alvo de busca e apreensão

Compartilhe:

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios realizou nesta 5ª feira (23.jul.2020) a Operação Alto Escalão para cumprir 13 mandados de busca e apreensão. A investigação apura suposta corrupção na compra de leitos hospitalares pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal durante a gestão do ex-governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz.

Entre os alvos estão Agnelo e o ex-secretário de Saúde Rafael Barbosa. A operação é comandada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e conta com o apoio da Polícia Civil do DF. G

Segundo a investigação, o dono da empresa Hospimetal pagou R$ 462 mil a agentes que atuariam em nome de Agnelo e Barbosa. O valor equivale a 10% do montante total do contrato de R$ 4,6 milhões.

Os pagamentos teriam sido feitos por meio de 1 contrato fictício de publicidade e marketing firmado entre a Secretaria de Saúde do DF e o IBESP (Instituto Brasília Para o Bem-Estar do Servidor Público), admirado por Luiz Carlos do Carmo, que também é investigado.

Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Criminal de Brasília, depois de informações fornecidas em delação premiada.

São alvos da operação desta quinta-feira Daniel Verás, Fabrício Carone, Ronaldo Pena Costa Júnior, Luiz Carlos do Carmo, João Kennedy Braga, Rafael de Aguiar Barbosa, Wilhas Gomes da Silva, Mara Lucia Montandon Borges, Adriana Aparecida Zanini, Adalgiza Medeiros Teodoro e Clube Coat Eventos Ltda.

OPERAÇÃO CHECKOUT

A operação Alto Escalão é um desdobramento da operação Checkout, deflagrada em junho de 2018 e que cumpriu 16 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

O Ministério Público do DF investigou servidores da SES/DF e funcionários de empresas privadas envolvidos em fraude à licitação e corrupção na compra de macas, leitos de hospitais e outros tipos de mobiliários para unidades da rede pública. A 2ª e a 3ª fase foram deflagradas, respectivamente, em fevereiro e março de 2019. Foram cumpridas diligências no Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), no Guará e na cidade de São Caetano do Sul (SP), numa empresa de turismo.

Fonte/Poder360