Dallagnol interferiu para colocar juiz aliado no lugar de Moro, diz Vaza Jato

Compartilhe:

‘Precisamos de um coringa’, escreveu o procurador em mensagens divulgadas pelo The Intercept 

Novas mensagens divulgadas pelo The Intercept nesta terça-feira 13 mostram que procuradores da Lava Jato atuaram para interferir na sucessão do ex-juiz Sergio Moro nos processos da operação em primeira instância.

Em dois áudios enviados pelo Telegram em janeiro de 2019, o coordenador da força tarefa Deltan Dallagnol elenca os principais candidatos à vaga, elege os preferidos e esboça o plano em andamento para afastar quem poderia “destruir a Lava Jato”.

“Aí ontem os juízes estavam preocupados e conseguiram fazer, conseguiram convencer o número 1 da lista, o que é ótimo para nós, assim, simbolicamente, a aceitar o desafio de ir para a 13ª”, celebrou Dallagnol, em áudio.

O primeiro da lista dos procuradores era o juiz Luiz Antônio Bonat, de 64 anos, que herdou a cadeira de Moro por ser o mais antigo juiz federal em atividade na jurisdição do TRF4.

As conversas dão a entender que Bonat resistiu a entrar na disputa e que foi convencido a concorrer por colegas e procuradores que “estavam preocupados” com a vitória iminente de alguém visto com desconfiança pela Lava Jato: Julio Berezoski Schattschneider, um juiz que atuava em Santa Catarina. CartaCapital