Empresário afirma que propinas para Aécio e Perrella foram entregues em caixas de sabão em pó

Compartilhe:

O empresário Waldir Rocha Pena, proprietário de um supermercado de Belo Horizonte (MG), que seria utilizado pela JBS para pagar propinas a políticos, revelou que realizou entregas de dinheiro vivo a Frederico Pacheco, primo do senador Aécio Neves (PSDB-MG), e também a Mendherson Souza, ex-assessor do senador Zezé Perrella (MDB-MG). As entregas, de acordo com reportagem de Aguirre Talento, de O Globo, foram feitas em caixas de sabão em pó.

A revelação ratifica a delação da JBS e se torna mais uma prova de pagamento de propinas aos políticos. O depoimento foi dado por Waldir à Receita Federal e enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR), responsável pela investigação de Aécio e Perrella.

As informações colhidas no depoimento de Waldir foram repassadas para a Polícia Federal de Minas Gerais e usadas na deflagração da Operação Capitu – que investiga corrupção no Ministério da Agricultura e prendeu, recentemente, o dono da JBS, Joesley Batista, e outros envolvidos no caso.

Em sua delação premiada, Ricardo Daud, ex-diretor da JBS, informou que operacionalizou repasses para Aécio Neves por intermédio de operações financeiras com um supermercado de Belo Horizonte e a entrega em dinheiro para Frederico. Saud revelou ter repassado cerca de R$ 4 milhões para o tucano nessas operações.

Waldir Pena, um dos sócios da empresa Supermercado BH Comércio de Alimentos, confirmou as informações delatadas por Saud e deu novos detalhes. A investigação conseguiu obter documentos que indicam que as entregas em dinheiro vivo totalizaram R$ 6 milhões. Essas operações, segundo apurado, foram feitas em 2014, ano eleitoral.

Revista Forum