Marcelo Tas diz que Cuba não tem humorista e leva invertida de Adnet no Roda Viva

Compartilhe:

Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, nesta segunda-feira (17), o humorista Marcelo Adnet confessou que se considera uma pessoa de esquerda. O comentário desagradou o jornalista e apresentador Marcelo Tas, que disse não existir humoristas em Cuba ou China.

“Você nunca reparou que em Cuba não existe humorista? Ou na China? Eu acho muito perigoso tomar um partido especialmente quando o humor é censurado, como no caso de Cuba. É um país muito triste”, disse Tas ao humorista.

Confuso com a pergunta do jornalista, Adnet o questionou: “Você vai falar que humorista tem que ser de direita?”. Em resposta, Tas disse que o posicionamento de esquerda prejudica o trabalho de humoristas, pois, de acordo com ele, a comunicação progressista é “arrogante”.

“Eu acho que não prejudica, eu sou uma pessoa acima de qualquer coisa”, respondeu Adnet. “Eu não boto a carreira acima do humano. Ser de esquerda não tem nada a ver com China, ou Coreia do Norte, isso é comunismo”, continuou.

Em seguida, o humorista explicou ao jornalista o que é ser uma pessoa de esquerda e progressista, em sua opinião. “Ao dizer que eu sou de esquerda, você não pode dizer que eu sou lulista, ou que eu sou petista, isso é uma simplificação. A esquerda não é uma coisa só, ela é bastante plural”, afirmou.

Com a repercussão da pergunta de Tas ao humorista, internautas passaram a compartilhar nas redes sociais perfis de humoristas cubanos. Um deles é Luis Silva, conhecido como Pánfil. Outros profissionais, como Omar Franco, Robertico Riverón e Osvaldo Doimeadios também foram citados.

No programa, Adnet disse que não há como “morar no Brasil e não ser de esquerda”. Em outro momento, ele também disse que considera a política uma atividade nobre, mas que não planeja se candidatar. “Por enquanto não pretendo me envolver, em primeiro lugar, porque tenho medo de morrer, e a política ultimamente anda muito barra pesada”, disse.