Morre o poeta amazonense Thiago de Mello, aos 95 anos

Foto: Divulgação/Manauscult
Compartilhe:

O falecimento do filho ilustre da Princesinha do Paraná do Ramos, Barreirinha, Amadeu Thiago de Mello, 95 anos, ocorrido nesta sexta-feira (14/01) foi divulgada pelo escritor Sérgio Freire, no Twitter. Reconhecido com um dos grandes autores da literatura regional, completaria 96 anos no mês de março, ele alcançou fama internacional graças a poemas como o clássico “Os Estatutos do Homem”, escrito em abril de 1964, quando Thiago de Mello era adido cultural da embaixada do Brasil no Chile e amigo de Pablo Neruda.

Escritor de renome internacional, Thiago de Mello muito orgulhava o povo ariramba, como são chamados os barreirinhenses, por retratar em suas obras o cotidiano amazônico, contando em prosa e verso sua paixão e o apelo pela preservação da floresta. 

Thiago era um dos poetas de grande influência no cenário literário brasileiro. Iniciou a sua trajetória em Manaus em 1931, ainda criança, onde estudou no Grupo Escolar Barão do Rio Branco e depois, no Ginásio Pedro II. 

Em 1946, mudou-se para o Rio de Janeiro e chegou a ingressar na Faculdade Nacional de Medicina, mas a paixão pelas palavras falou mais alto e mudou o curso de sua vida. Os primeiros poemas como “Coração da Terra”, “Tenso Por Meus Olhos”, “Silêncio e Palavra”, “Narciso Cego” e “A Lenda Rosa”, foram bem recebidos pelo público e crítica. Entre os anos de 1961 a 1964, foi adido cultural na Embaixada do Brasil em Santiago, no Chile, onde conheceu Pablo Neruda, grande amigo e colaborador de seus trabalhos.

Durante a Ditadura Militar, por ver a tortura empregada como método de interrogatório, em 1977, escreveu “Os Estatutos do Homem”, sua obra mais famosa, que ecoa etos desde sua concepção. Prefeito e vice-prefeito reconhecem a importância do conterrâneo em ter levado o nome de Barreirinha aos quatro cantos do mundo.