Palmeiras aproveita “lei do ex” com dois de Rony e vence Athletico-PR

Compartilhe:

Gazeta Esportiva – O Palmeiras se recuperou no Campeonato Brasileiro e venceu o Athletico-PR por 3 a 0, neste sábado, com autoridade. Pela 23ª rodada da competição nacional, o Verdão foi melhor durante toda a partida e levou a melhor com gols de Patrick de Paula e Rony (duas vezes).

Com o resultado, o Palmeiras assume momentaneamente a quarta colocação com 37 pontos. A equipe seca o Internacional, que encara o Atlético-GO, às 21h deste sábado, e o Fluminense, que duela contra o Red Bull Bragantino, na segunda-feira. Já o Athletico-PR encerra uma sequência de quatro jogos com vitória e estaciona com 28 pontos na 11ª colocação. Contudo, até o final da rodada, o Furacão pode perder posições e voltar a ficar próximo do Z4.

Cheio de gás, o Palmeiras começou melhor a primeira etapa no Allianz Parque e não demorou para abrir o marcador. Em boa trama coletiva, aos oito minutos, Lucas Lima recebeu bela bola de Scarpa e tocou na medida para Patrick de Paula receber dentro da área e finalizar com categoria na saída do goleiro.

Com intensidade para tirar os espaços do adversário quando perdia a bola, o Palmeiras continuou dominante. Nesse ritmo, o Verdão ampliou o placar antes do intervalo, aos 34 minutos, quando Rony completou o desvio de Gabriel Menino, depois de cruzamento de Zé Rafael, empurrando para o fundo das redes.

Depois do intervalo, o Palmeiras subiu com a mesma intensidade e chegou ao terceiro gol logo aos seis minutos. Zé Rafael cobrou escanteio na primeira trave e Rony apareceu para desviar de cabeça e aumentar a vantagem na equipe.

Tranquilo no placar, Abel fez todas as cinco substituições para poupar seus titulares e testar variações táticas em sua equipe. Mesmo com menos volume ofensivo, o Verdão continuou soberano no jogo, sem passar sustos na defesa e controlando as ações. A equipe ainda chegou com perigo em pelo menos mais três oportunidades, mas não conseguiu transformar o resultado em um placar ainda mais elástico pela falta de pontaria.