Presidente da China critica tentativas de politizar crise da covid-19

Compartilhe:

O presidente da China, Xi Jinping, disse nesta 3ª feira (22.set.2020) que o país busca paz. e criticou qualquer tentativa de politizar a crise causada pela covid-19. Para o líder chinês, é preciso colocar em primeiro lugar as pessoas e seguir as orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Nós não temos intenção de travar uma guerra fria ou quente com nenhum país”, declarou, durante a 75ª Assembleia Geral na ONU (Organização das Nações Unidas).

O líder chinês afirmou que o país é aberto, cooperativo e pacífico. “Continuaremos a reduzir as diferenças e resolver disputas com outros por meio do diálogo e da negociação”, disse.

COVID-19 E TRUMP

O presidente norte-americano, Donald Trump, culpou a China pela pandemia, durante discurso na ONU. “Nós temos que responsabilizar a nação que espalhou essa praga pelo mundo: a China”, disse. Também chamou a covid-19 de “vírus chinês”.

Um representante da China fez 1 pronunciamento prévio antes da transmissão do discurso do presidente chinês – que era gravado, assim como dos outros líderes. Disse que as acusações de Trump são “completamente falsas”. Reforçou a importância da confiança entre os países e não de confronto.

Nenhum caso deve ser esquecido e nenhum paciente pode ficar sem tratamento. O vírus será derrotado, e a humanidade vencerá essa batalha”, declarou. Anunciou que o país irá investir US$ 2 bilhões (R$ 11 bilhões) nos próximos 2 anos para auxiliar países em desenvolvimento. Disse que as vacinas chinesas contra a covid-19 serão 1 bem público mundial.

Assista à íntegra do discurso (16min59s):

 

ECONOMIA E GLOBALIZAÇÃO

Enterrar a cabeça na areia como 1 avestruz diante da globalização econômica ou tentar combatê-la com a lança de Dom Quixote vai contra a tendência da história”, afirmou Xi Jinping. Segundo ele, globalização econômica é indiscutível. Disse que o mundo é “uma aldeia global interconectada com um interesse comum”.

 

 

Xi Jiping pontuou que as nações deveriam começar uma revolução verde e “fazer da Mãe Terra um lugar melhor para todos”.

O presidente norte-americano havia afirmado que a China “joga lixo nos oceanos” e polui “mais do que qualquer outro país no mundo”. O presidente chinês afirmou o comprometimento da nação asiática de reduzir consideravelmente, até 2060, as emissões de carbono.

A ASSEMBLEIA

Essa foi a 75ª Assembleia Geral da ONU. O líder chinês foi o 4º a discursar. Esta foi a segunda vez que Xi Jinping participou do evento desde que assumiu o cargo, em 2013. A primeira vez foi em 2015.

Por causa da pandemia, todos os pronunciamentos foram gravados previamente e transmitidos pela ONU.

Antes do presidente da China, se apresentaram os líderes brasileiro, Jair Bolsonaro, norte-americano, Donald Trump, e turco, Recep Tayyip Erdogan.

Depois de Xi Jinping, foi aberto espaço aos chefes de Estado do Chile, Sebastián Piñera, da Cuba, Miguel Díaz Canel, da Rússia, Vladimir Putin, da África do Sul, Matamela Cyril Ramaphosa, da Coreia do Sul, Moon Jae-in, da Jordânia, Abdullah II, do Qatar, Tamim bin Hamad al-Thani, da Filipinas, Rodrigo Roa Duterte, do Irã, Hassan Rouhani, e da França, Emmanuel Macron.

A partir das 16h no horário de Brasília, discursam outros 19 líderes. Entre eles, os representantes de nações africanos e países latino-americanos.

Poder360