Trump ataca China e diz defender direitos civis na Assembleia Geral da ONU

Compartilhe:

Em discurso na 75ª Assembleia Geral das Nações Unidas, nesta 3ª feira (22.set.2020), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, atacou a China pela forma como o país asiático administrou a pandemia.

Nos primeiros dias do vírus, a China fechou-se para viagens domésticas, mas permitiu que as pessoas saíssem da China e infectassem o mundo“, disse Trump. “A ONU precisa responsabilizar a China por seus atos.

Na avaliação de Trump, a ONU precisa focar nos problemas reais do mundo. “Isso inclui terrorismo, a opressão de mulheres, trabalho forçado, tráfico de drogas e de pessoas, perseguição religiosa e limpeza étnica de minorias“, disse.

O presidente norte-americano também fez 1 manifesto antiaborto ao afirmar que, além de proteger grupos minoritários, como LGBTQs e mulheres, também dedica-se a proteção de “crianças não nascidas”.

O presidente Trump citou os acordos que os EUA intermediaram entre Israel e os Emirados Árabes. “Pretendemos apresentar mais acordos de paz.”

O republicano exaltou a forma como a Casa Branca tem tentando combater a pandemia. “Nós vamos distribuir a vacina, vamos derrotar o vírus, vamos acabar com a pandemia e vamos entrar em uma nova era de prosperidade, cooperação e paz sem precedentes“, afirmou.

A Assembleia Geral é o principal órgão deliberativo da ONU. Reúne representantes dos 193 países-membros da organização para promover debates sobre temas que afetam as comunidades internacionais.

Assista ao discurso de Trump (7min20seg):

 

 

 Poder360