Record é acusada de racismo após Universal dizer que Beyoncé faz magia negra

Compartilhe:

Um programa religioso da Universal do Reino de Deus, que foi exibido às 00h45 da madrugada desta quarta-feira na Record, causou revolta nas redes sociais. A pauta era “magia negra e bruxaria”, e a cantora Beyoncé foi usada como exemplo. Uma situação em que uma ex-funcionária afirmou que a cantora fazia esses rituais foi lembrada durante a exibição.

Enquanto o bispo Adilson Silva fala, imagens de “Black is King”, filme da artista e Jay-Z que exalta a cultura negra, estava passando, ilustrando as acusações da igreja contra a cantora. “Tem muita gente se envolvendo com magia negra, inclusive pessoas famosas”, começou o religioso. “Uma prática obscura, famosa mundialmente pelo sacrifício de vidas. No Brasil, muitos crimes já foram motivados pela magia negra”, continuou.

A acusação sobre tais rituais foi feita por Kimberly Thompson, ex-baterista de Beyoncé. Os fãs ficaram revoltados, e subiram a hashtag “Record Racista” no Twitter.

“Em pleno 2021, a Record fez uma matéria insinuando que Beyoncé pratica ‘magia negra e bruxaria’. Enquanto falavam essas atrocidades, a emissora usou imagens de Black Is King, filme de Beyoncé que exalta a cultura africana!”, disse uma conta. (IstoÉGente)